Full Spectrum

1200 675 Hugo Gonçalves

A verdadeira dificuldade não está em aceitar ideias novas, mas escapar das antigas.


John Maynard Keynes

Durante a minha adolescência (algures no fim dos anos 80) tive uma fase onde foi necessário contrariar o meu perfil (na altura) pouco reivindicativo e “sensibilizar” os meus pais através de insinuações, pedidos, birras e outras atividades semelhantes para me oferecerem o que na altura era a maior tecnologia a nível de jogos de computador.
Um Sinclair ZX Spectrum +2 128K – a bomba da altura!

Neste tempo os jogos tinham como suporte físico cassetes áudio (que podiam ser copiadas e pirateadas) que colocávamos no leitor, carregávamos no play e a informação analógica do jogo era carregada numa memória muito volátil e caprichosa do computador. Por exemplo, o tempo que demorava a fazer o download era de 20/30 ou mesmo 40 minutos por cassete e existiam jogos que era preciso carregar 3 cassetes. E como os jogos nunca ficavam em memória, sempre que queríamos jogar tínhamos que repetir o processo outra vez! Quantas vezes ao fim da terceira cassete estava eu preparado e em pulgas para iniciar o jogo quando aparecia algo no televisor:


Tape Loading Error!
Arghhhhhhhhhh!

Estou a trazer esta história por causa do conceito Full Spectrum, para Líderes e Organizações. Estas abordagens já existem como modelos e conceitos desde há vários anos, mas só agora começam a ser vistas com outros olhos pois cada vez mais as empresas e os seus colaboradores pertencem a superclusters – de mercados, de inovação e de colaboração. Ou seja um ecossistema onde numa proximidade geográfica existam “players” de empreendedorismo, universidades, empresas e corporações, capital financeiro e mecanismos ou entidades de governance que permitam promover o desenvolvimento da inovação e industrialização de diferentes áreas de negócio. Mas isso é muito técnico e business. E hoje quero ir por outro caminho.

Em resumo, cada vez mais estes tempos nos estão a colocar desafios que nos “obrigam” a sermos Seres Humanos e Profissionais Full Spectrum. Ter uma consciência e uma abordagem Full Spectrum implica conhecer a nossa pirâmide de valores e comportamentos e olhar de frente para ela. Desde o básico ao transcendental. E aceitar o que vemos.


Cada Liderança e Organização tem uma “consciência” própria. Não, não estou a falar de algo místico, mas é verdade que esta consciência só consegue ser percecionada e transformada com algum trabalho de observação e escuta interna.

Esse trabalho pode ser feito através de abordagens e métodos que apresentei em partilhas anteriores como estaesta outraesta aindamais esta e porque não esta, por exemplo… (vários links) 🙂

Essa consciência pode ser mapeada, não com ressonâncias magnéticas funcionais interativas mas sim com esquemas visuais que tornam as coisas mais claras. Como por exemplo esta Pirâmide de Valores Organizacionais de Barrett.

Acima de tudo, a palavra-chave aqui é Equilíbrio!

Em jeito de exemplo, Nenhum profissional ou empresa funciona de forma sustentável e ágil perante as dinâmicas que nos rodeiam apenas com um foco totalmente prático (parte inferior da pirâmide) ou totalmente etéreo e idealista (parte superior). Todos os 7 níveis devem ser trabalhados.

Os líderes de maior sucesso são aqueles que aprenderam a dominar cada um dos níveis de consciência:

  • Fomentam o nível 1 cuidando da estabilidade financeira e da segurança dos colaboradores;
  • Materializam o nível 2 promovendo a comunicação aberta, respeito e satisfação dos clientes, colaboradores e partes interessadas;
  • Desenvolvem o nível 3 focando na performance, os resultados, as melhores práticas e a eficiência;
  • Em seguida, consideram o nível 4 como sendo um sentido de urgência que estimula adaptabilidade, a inovação, o poder e a participação dos colaboradores e a aprendizagem contínua;
  • Desenvolvem o nível 5 promovendo o espírito de tribo e uma cultura coesa baseada numa visão e valores compartilhados que criam resiliência e uma forte capacidade para a ação coletiva;
  • Através do nível 6, constroem alianças estratégicas com parceiros com ideias e valores similares; promovendo o mentoring e o coaching para as suas equipas e assumindo um papel de provedor do ecossistema da cultura da empresa;
  • Por fim, são a bandeira e roda pedaleira do nível 7 assumindo a responsabilidade social, a ética, o pensamento global e mantendo uma perspetiva de longo prazo para o seu negócio e o seu impacto sobre futuras gerações;

E o que tem isto a ver com o Sinclair ZX Spectrum +2 128K?

Bem, na minha opinião, bastante! A partir daqui leia-se “jogos, cassetes e afins” como sendo competências, abordagens, culturas, comportamentos, etc. para que as analogias possam ser mais eficazes.

  • Cassetes originais raramente “crashavam” – a ligação que faço aqui é com o contacto com a Verdade e a Atenção Plena quando estivermos perante desafios, contacto com as pessoas ou processos de transformação organizacional. O Propósito que esteja por detrás dessas iniciativas deve ser o mais verdadeiro e compassivo possível, no sentido de fazermos as coisas por não serem moda, mas porque faz sentido para o desenvolvimento de todos e para o lucro com propósito. Start with Why!
  • Manter o leitor de cassetes limpo – Um dos fatores críticos de sucesso para o carregamento dos jogos era limpar a cabeça de leitura da cassete com álcool ou algo parecido. Assim sendo, poeira, sujidade ou algum tipo de contaminação “organizacional” devem ser monitorizadas e eliminadas. Isto faz-se através do contacto frequente com as pessoas, um ótimo recrutamento/indução e com a liderança pelo exemplo.
  • Ajustar com o parafuso – em alguns casos, durante o carregamento dos jogos, era necessário ajustar a forma como estes eram “lidos” pelo computador. Utilizava uma pequena chave de fendas que permitia encontrar uma “frequência” de som que os mais experientes já sabiam que iria levar ao carregamento completo. Ajustes, fine tunings organizacionais fazem parte dos processos Full Spectrum. Porque tudo o que é criado e parece uma ótima ideia é confrontado com um filtro e/ou bulldozer chamado Realidade.
  • Vai haver ruído ao carregar os jogos – Todos os processos que impliquem consciência, transformação e ação (de forma global ou apenas parcial) são sempre um foco de disrupção, receios, desconforto e resistência. Tudo isso faz parte da natureza humana pois somos muito duais no que à curiosidade pelas coisas novas e ao apego pelas coisas que conhecemos (mesmo que não sejam o melhor para nós) diz respeito. Para os mais curiosos, aqui fica a “melodia” que era carregar um jogo:
  • Todos devem poder Jogar – Por exemplo, hoje em dia podemos jogar de forma colaborativa e em equipa – Fortnite, PES, FIFA, Call of Duty e outros são plataformas onde basicamente e em tempo real organizamos estratégias, definimos os talentos e enfrentamos um desafio. Acima de tudo, vemos as coisas em conjunto, combinados recursos tendo em conta o esperado e inesperado. Façamos o mesmo com as nossas equipas e organizações.
  • Demora tempo a carregar e a dominar um jogo “Full Spectrum– Todos os processos de Desenvolvimento de Liderança, das competências emocionais e relacionais e dos programas ou abordagens formais e informais de Desenvolvimento Organizacional, necessitam em primeiro lugar de tempo. Primeiro, porque a nossa capacidade de absorver a mudança, a transformação e o agarrar de novos desafios é no máximo linear, e não exponencial. Depois porque estas dinâmicas funcionam como a Natureza. É preciso semear, nutrir, proteger, cuidar, deixar ao sol e chuva tudo aquilo que queremos colher, sem grandes substâncias tóxicas.

Então:

  • Em primeiro lugar, escolha o seu jogo de Liderança e de Transformação Organizacional;
  • Em seguida, se fizer sentido avalie o estado atual através da Pirâmide de Barrett e das Analogias do Spectrum +2 128k;
  • Por fim, digite no prompt do seu sistema operativo de consciência, transformação e ação o seguinte comando:

> LOAD “ ”

Agora carregue em ENTER!

Obrigado e Abraço,

Hugo

www.leaders4mobility.com | molahumalab.com

WP to LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com